quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Nada acontece por acaso e tudo tem um propósito? - Os propósitos divinos e os LGBTs

"Nada acontece por acaso e tudo tem um propósito" - Essa frase é repetida ad nauseam por pessoas espiritualizadas. Ela é até bonitinha e enseja certa espiritualidade por parte de quem acredita nela. 

No entanto, com relação aos LGBTs, ela tem um problema. Se nada acontece por acaso e tudo tem um propósito, será então que todas as travestis brutalmente assassinadas e os gays torturados na Rússia e alhures estão cumprindo um "propósito"? E as pessoas que são agentes desses assassinatos e torturas são "agentes de Deus" para um propósito maior?



E o que dizer de todo o horror a que os homossexuais estão submetidos em diversos países? Tudo isso tem um propósito por detrás? E o que falar de lésbicas e gays que são para sempre alijados do seio de sua família unicamente por serem quem são...  será que Deus preparou esse propósito para eles? Ou será que nada disso é por "acaso"?

Como vemos, essa ideia de que há um propósito por detrás das coisas orientado por uma espécie de Ser Supremo, nos faz justificar os maiores absurdos da humanidade. Ela faz com que nos tornemos passivos mediante as situações achando que uma espécie de inteligência divina tem um "plano" para nós e que as coisas estão escritas.



Dessa forma passamos a ver significados em coisas absurdas. Se nada acontece por acaso, então o gay brutalmente espancado em Niterói e sua consequente morte é porque Deus estava querendo mostrar alguma coisa? A quem - à mãe ou aos assassinos? E precisava matar o garoto por isso?

Essa visão tira das pessoas a responsabilidade por suas ações. Além do que, uma vez que Deus não fala, se tudo tem um propósito, quem é capaz de dizer qual é o propósito divino para cada fato, considerando a multiplicidade de interpretações para cada situação?

Isto posto, temos duas perspectivas opostas aí. De um lado há os que defendem que nada acontece por acaso e que há um propósito em tudo, mesmo nas coisas mais absurdas. 



Do outro lado há os que defende que as coisas acontecem porque as pessoas fazem acontecer e que não há nada por trás guiando os fatos.

Creio que uma harmonização das duas linhas de pensamento seja possível.

Dizer que as coisas não têm nenhum propósito e ponto final, por sua vez, significa tirar o significado da vida, significa apagar a chama que nos mantém conectados com o invisível e com o Transcendente, significa tirar de nossa mão o pincel que pode dar um colorido à existência.



Sendo assim creio que as coisas não necessariamente têm um propósito fixo estabelecido por uma Divindade por trás dos fatos. Creio que as coisas acontecem devido ao livre-arbítrio dos seres humanos. No entanto, a partir do desenrolar dos fatos, podemos construir significados para nós e tirar alguma lição daquilo.

A partir daí nós nos conectamos com a Divindade na medida em que usamos o palco da vida para o aprendizado.

Nessa perspectiva, nós não tiramos os significados da Vida. No entanto, assumimos a responsabilidade por criá-los ao invés de deixar isso nas mãos de uma suposta Divindade. Nessa visão nos tornamos ativos para os propósitos da Vida.



Dessa forma, quando uma mãe perde um filho para a homofobia, ao invés de achar que Deus tinha isso como propósito para ela, sua própria alma, mediante os fatos não-volitivos, é quem vai buscar um significado maior. E este movimento acaba justamente por colocá-la em ressonância com Deus.

Por fim, a ideia de achar que tudo tem um propósito deve ser de baixo para cima (de nós em direção a Deus) e não de cima para baixo (de um suposto Deus para com nós).



Não posso negar, no entanto, que certos fatos em nossa vida parece que foram cuidadosamente colocados na hora certa e no local certo para nos beneficiarmos de alguma coisa. Mas aí fica uma questão: Nós que criamos isso por meio do nosso poder mental de organização e materialização ou quem criou isso foi um Ser Divino que é o nosso Pai?

Se admitirmos a segunda opção, forçoso é concluir que um gay foi assassinado porque Deus planejou isso para ele. Se admitirmos a primeira opção, estamos na mesma linha de pensamento do livro "O Segredo" que diz que tudo o que acontece em nossas vidas é porque criamos isso mentalmente e que o gay assassinado atraiu isso para ele.



Essas reflexões dão pano pra manga e creio que nunca saberemos a verdade.

Como diria Joseph Campbell, "a Vida é sem significado, você traz um significado" a ela.

Amor e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário