domingo, 22 de setembro de 2013

O papa disse algo de importante sobre os homossexuais? - relativizando...

O papa Francisco I tem dado o que falar. Ele tem aparecido em diversos sites de notícias com uma suposta nova abordagem da Igreja sobre gays, muito mais próxima do "amor de Deus". No Brasil, inclusive, ele falou que ele não é ninguém para julgar ou condenar os homossexuais. 

Digo suposta nova abordagem porque o que ele diz está há bastante tempo no catecismo católico, que diz que a pessoa homossexual deve ser respeitada.

Mas há algo de bom nisso?



Segundo um site de notícias, está escrito:

"As palavras do Papa devem ter repercussão em uma igreja na qual bispos e padres em muitos países criticam duramente o aborto, casamento homossexual e contracepção. Estes pontos são claros para Francisco, "como filho da Igreja", mas devem ser apresentados em um contexto mais amplo. "A proclamação do amor salvador de Deus vem antes de imperativos morais e religiosos.

Numa linguagem direta, Francisco afirmou que a Igreja deve ser "uma casa para todos", e não "uma pequena capela" concentrada na doutrina, na ortodoxia e numa agenda limitada de ensinamentos morais".

Está claro no subtexto que ele não pretende mudar uma vírgula do que a Igreja Católica diz sobre a homossexualidade ser um pecado, apenas mudou o tom e convidou as pessoas a um "vamos todos nos amar".



Esse tipo de atitude, pra mim, embora tenha algum louvor, é execrável.

Isso porque toda o opróbrio e a ignomínia social sobre os homossexuais tem origem na ideia de que sua natureza intrínseca é pecaminosa.

Essa coisa de "amar" e abraçar a humanidade deve ser visto com certo ponderamento. O papa diz que lésbicas devem ser respeitadas, mas não faz NADA para mudar a doutrina que considera pessoas com uma orientação sexual diferente como pessoas intrinsecamente pecadoras. 

Ou seja: Vocês, homens e mulheres homossexuais nascem pecadores, vão pro inferno, nunca poderão se casar na minha igreja, sua família é antinatural, heterossexuais são superiores a vocês e Deus prefere eles, mas eu amo vocês, tá? - Que coisa mais hipócrita e nojenta.



O que Francisco está fazendo é desviar o foco, mas não é ele quem no cotidiano vive todas as consequencias negativas de ser encarado como algo antinatural. Não é ele quem é espancado pelos pais ou posto pra fora de casa porque os pais o consideram algo demoníaco ou errado. 

Então esse papinho de respeitar os homossexuais é a mesma prática feita na Ordem Rosacruz AMORC - nós respeitamos você, mas você não pode se casar. Respeito é não fazer ao outro o que não gostariam que fizessem com você. Por tanto, se você tem o direito de se casar, o outro também deve ter, do contrário, pegue seu teu "amor" e enfia onde melhor lhe apraz.



Realmente penso que esse é um papa espiritualizado, que veio trazer a concórdia entre católicos e o resto das pessoas. Mas não podemos baixar a guarda. Há muitas coisas subentendidas nas falas dele. Ele já disse que a doutrina sobre a homossexualidade não vai mudar e ainda quer que nos amemos todo. Ou seja, ele me considera antinatural mas quer que eu o ame.

Não, obrigado.


Se o papa respeita os LGBTs, cadê a condenação a países que nos CRIMINALIZAM? Cadê a condenação à Rússia, tal como fez com países racistas e antissemitas?

O que o papa está dizendo é a mesma coisa que a Igreja disse sempre, apenas travestiu isso com uma roupagem de espiritualidade.

O que vocês acham sobre isso? Pensam que estou exagerando ou acreditam que tem algum fundamento?

Amor e Paz

Nenhum comentário:

Postar um comentário