segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Os homossexuais e o declínio numérico da população

Hoje, 10 de fevereiro de 2013, Luiz Felipe Pondé, um filósofo de direita, fez uma coluna no site de A Folha, sobre como o secularismo têm afetado a quantidade de pessoas nas democracias ocidentais. Ele fala basicamente que o número de pessoas na civilização ocidental tem diminuído.

Falar que o número de pessoas vêm diminuindo, parece um exagero num mundo em que há sete bilhões de pessoas. Mas há algo a ser ponderado sobre esse assunto. O que Pondé falou tem algum fundamento. A quantidade enorme de pessoas nascendo está basicamente na civilização islâmica, na civilização hindu, na civilização sínica e em países africanos. Os europeus, de fato, estão tendo menos filhos. Igualmente, quem mais tem filho nas democracias ocidentais são os fundamentalistas religiosos.

Ele cita que a população vem declinando em diversos países europeus, no Japão etc e culpa o secularismo por isso. As mulheres acadêmicas, ou as que têm empregos, postergam o fato de ter filhos para depois da pós-graduação, ou às vezes nem os têm direito. Muitas dão prioridade à carreira ao invés da família.



O resultado disso é que o mundo letrado, de classe média, com bons empregos, aquele mundo formado por uma educação secular e compreensível, é espremido em volta por um mundo em que a miséria se reproduz em quantidade geométrica, um mundo em que não há condições de dar emprego e bom estudo para todo mundo e um mundo que muitas vezes é sustentado com o dinheiro dos impostos produzido pelo outro mundo.

E o que os homossexuais têm a ver com isso?

Simplesmente, o mundo que tolera a população LGBT é o mundo letrado, de classe média, com bons empregos e formado com uma educação secular. Se esse mundo diminuir, não é preciso ser um sábio para saber qual será o nosso destino.



Talvez falar em "mundos" seja uma clivagem exagerada; não nego a existência de interfaces e fronteiras entre estes dois universos. Mas é fato que a população ignorante, intolerante e extremista religiosa se reproduz com muito mais quantidade e rapidez do que a população letrada, tolerante e secular.

Na Europa, a população nativa tem menos de 1 filhos por mulher, já a população imigrante muçulmana (leia-se: homofóbica em sua maioria) tem 4 filhos por mulher. Não se trata de política, mas de um cálculo básico de demografia.

Muito se acusa sobre como os homossexuais concorrem para diminuir a população no Ocidente e é exatamente sobre esse ponto que eu quero chegar. Isso é um sofisma deslavado, oriundo de pessoas burras ou mau caráter.

A população LGBT é menos de 5 % da população de um país. Embora a homossexualidade seja bem difundida, dizer que ela é capaz de afetar a reprodução de 95 % da população é de um mau caratismo ímpar.



Ó que afeta a reprodução da sociedade é:

- O custo de vida altíssimo das cidades
- A falta de vontade dos heterossexuais de assumirem a responsabilidade de ter uma família
- O descompromisso com valores familiares dos heterossexuais
- A necessidade de se ter um emprego para poder sustentar as crianças (e o desemprego atrapalha isso)
- A entrada da mulher no mercado de trabalho
- O capitalismo, a inflação, etc...

Todos estes fatores desestimulam que os casais tenham filhos. E o que os homossexuais têm a ver com tudo isso acima? NADA.

Enfim, embora a queda da população de países seculares, Japão e Rússia seja um fenômenos preocupante, colocar a culpa na conta dos homossexuais e do casamento gay é absurdo, pois o número de homossexuais é ínfimo para afetar toda uma população. O que efetivamente afeta o nascimento de bebês são questões político, econômicas, religiosas que afetam especificamente os heterossexuais e o modo como eles se relacionam. Mas fiquemos sempre atentos, pois pode ser que nossos inimigos usem isso contra nós lá na frente.



Muitos podem dizer que a diminuição da população da Terra pode ser bom, pois o planeta não suporta 7 bilhões de pessoas. Na verdade seria ótima, mas a conta não é essa. O fato é que a população secular de classe média está diminuindo, e quem está aumentando é a população pobre, de religiões fanáticas e intolerantes. Num longo prazo isso pode ter um impacto direto não só sobre o mundo tal como o conhecemos, mas também sobre os homossexuais.

O futuro é nuvioso. Certamente vão colocar nos homossexuais uma responsabilidade que cabe muito mais aos heterossexuais. Como sempre, a população LGBT é o bode expiatório dos pecados dos outros. Condenar os LGBTs funciona como uma excelente fachada moral para os heterossexuais. 

Em tempo: Na África, os franceses levaram diversas vacinas e técnicas médicas que ajudaram as crianças africanas a sobreviverem e a aumentar em número. E o que os africanos nos deram em troca? - Leis draconianas contra os homossexuais, alegando que a homossexualidade era uma invenção ocidental, anti-africana. Acho que eles deveriam voltar a viver em suas tribos e parar de vacinarem suas crianças também. Afinal, a vacina que tanto salvou a vida de suas crianças, também é uma invenção ocidental.

Amor e Paz


Nenhum comentário:

Postar um comentário